Encontros perdidos no tempo

Sinopse

Um Português na ilha de Tanegashima, segue a história do primeiro encontro entre o Japão e o Ocidente, observando que os gestos dos Portugueses e dos Japoneses de hoje, reproduzem os gestos dos Portugueses e Japoneses de ontem, no mesmo espaço, num outro tempo.

Bio-filmografia do realizador

Em criança explorou grutas, florestas e rios. Anos mais tarde, depois de uma experiência académica em estudos de antropologia em Lisboa, mudou para cinema. Foi quando fez os seus primeiros filmes. Esses filmes competiram e foram premiados em alguns festivais de cinema nacionais e internacionais: "Sombras do Passado" (2006), “Wakasa” (2011), “Para Lá do Marão” (2014), “Da Casa do Vincent na Borinage” (2016) e “Encontros perdidos no Tempo” (2021), exibidos no Indielisboa, Doclisboa, Curtas Vila do Conde, Jihlava, Punto de Vista, International Film Festival of Salerno, entre outros.

Nota de intenções

Em “Encontros Perdidos no Tempo”, exploro a minha própria história como Português no Japão, através dos eventos históricos e o mito. Viajei para o Japão e encontrei o meu próprio país, Portugal. A intenção não é fazer um documentário biográfico, educacional, científico ou nacionalista, mas evocar a Era dos Descobrimentos, para contar uma história pessoal.

Equipa Técnica

Realizador: José Manuel Fernandes Cinematografia: José Manuel Fernandes Montagem: José Manuel Fernandes, Mário Gajo de Carvalho Som: José Manuel Fernandes Misturas: Mário Gajo de Carvalho Produtor: Mário Gajo de Carvalho


ficha técnica

30 minutos   /   Imagem: 16x9  /  Som: Stereo   /  Formato: HD   /  Documentário