Sinopse

Um homem sozinho segura uma trave. Vai-se descobrindo a sua tarefa: segura a trave que segura o prédio, braços enormes enrolados, corpo fundido com o trabalho. É uma dedicação milimétrica que ocupa o tempo todo. Um dia, desses que escorrem iguais para quem chama a si o dever de aguentar o mundo às costas, a cidade por si só continua. O homem vê que já não segura nada, mas não se lembra de mais nada de si. Agarra-se ao eixo que sustém o vazio. Segura-se. 

Bio-filmografia do realizador

Luís Soares nasceu em Lisboa, em 1981. O seu primeiro filme de animação Outro Homem Qualquer estreou no Festival Internacional de Curtas de Vila do Conde em 2012, tendo participado em dezenas de festivais e mostras nacionais e internacionais onde venceu 5 prémios: Prémio António Gaio no Cinanima 2012, Mikeldi de Oro no ZINEBI 2013 em Espanha, Prémio Novíssimos no IndieLisboa, Menção Honrosa no Mumia – Mostra Udigrudi Mundial de Animação no Brasil e o Prémio Revelação nos Caminhos do Cinema Português. O seu segundo filme de animação, Suspensão, vai estrear no Indielisboa 2020.

 

Equipa técnica

Realizador e Autor Gráfico:

Luís Soares

Argumentistas:

Luís Soares

Cátia Salgueiro 

Produtor:

Mário Gajo de Carvalho

Nota de intenções

Partimos daqui: compreender o cansaço extremo como condição comum. Sentíamo-lo de forma intensa nas nossas próprias vidas. Na falta de sono e nas imagens que aparecem nos sonhos. Na dificuldade em manter as redes de afecto. Na constante pressa. Para trabalhar e mesmo enquanto trabalhamos, quietos e tensos frente a um computador. Para esticar o tempo, fazer mais e, no fim, tudo parecer incompleto ou até desmultiplicado. E sentir que tantas pessoas vivem o mesmo, na mesma solidão. Propusemo-nos criar uma imagem-situação que representasse e permitisse explorar um estado de crise suspensa e permanente. O estranho equilíbrio de estar sempre prestes a ruir e que se anuncia no corpo e no imaginário.